Mercado Financeiro

O que é liquidez? Saiba sobre a relevância para seus investimentos

O que é liquidez? Saiba sobre a relevância para seus investimentos

Quando falamos de investimentos logo pensamos em grandes rendimentos alcançados por experts como em filmes. No entanto, devemos lembrar que existem outros itens importantes na hora de investir, como a liquidez financeira.

De que adianta ter um provento alto se não há facilidade em torná-lo dinheiro novamente? Isso é a liquidez de um investimento.

Portanto, não apenas iremos desmistificar a ideia de que bom investimento é simplesmente aquele que te traz altos rendimentos como também traremos clareza para esse outro ponto que merece atenção especial no momento de investir.

O que é liquidez?

Podemos dizer que o significado de liquidez é a facilidade que um ativo financeiro se torna dinheiro sem diminuição do seu valor. Isso quer dizer que,  caso o investidor precise de uma certa quantia e consiga converter o investimento dele em caixa sem dificuldades, dizemos que essa aplicação é líquida.

Entretanto, deve-se lembrar que para ser considerado um investimento líquido, não pode haver diminuição de valor.

Para exemplificar, existe um imóvel o qual o dono gostaria de vender, pois precisa de dinheiro.

Demoram-se meses para fazer uma boa venda de imóvel, porém caso o valor for mais baixo, a venda ocorrerá mais rapidamente – nesse caso vemos um ativo não líquido, apesar da rapidez da venda.

Alguns exemplos de investimentos considerados “líquidos” são fundos imobiliários e ações.

Liquidez diária

Esse investimento é perfeito para aqueles que precisam de liquidez imediata, ou seja, para quem pode precisar do dinheiro investido a qualquer momento. Apesar de ser um investimento caracterizado por uma rentabilidade mais baixa, pode ser uma ótima opção para guardar sua reserva de emergência.

Alguns investimentos de liquidez diária são: 

É válido ressaltar que caso aconteça algum imprevisto você pode retirar o investimento com maior facilidade.

Liquidez no vencimento

A liquidez no vencimento é uma característica nos investimentos em que só é possível fazer o resgate do dinheiro no prazo final previamente estabelecido. Isso quer dizer que o valor da aplicação fica “preso” até o vencimento. 

Esses investimentos podem ter prazos curtos, médios e longos e atendem diversos tipos de perfis do investidor. Alguns exemplos são: CDBs, LCIs, LCAs, LCs, RDBs e alguns Fundos.

Qual a importância da liquidez?

Os investimentos fazem parte de um planejamento para o futuro onde se pode colher os frutos no curto, médio e longo prazo. Para o investidor é importante contar com a liquidez já que é por meio dela que você consegue programar cada ativo de acordo com os objetivos premeditados. 

Nesse sentido, é importante usar a liquidez dos investimentos ao seu favor, para uma reserva de emergência ou oportunidade é importante aplicar em alta liquidez. Já em casos em que o montante é destinado para planos futuros é possível abrir mão da facilidade do resgate.

Influência da liquidez

o que é liquidez?

Ela é parte importante das aplicações, por isso não há como ignorá-las ao focar somente nos rendimentos.

Comumente, altos rendimentos estão atrelados a uma segurança menor e também à baixa liquidez, e o contrário é real.

Em contrapartida, ativos com alta facilidade de se tornarem dinheiro não possuem rendimentos tão extravagantes.

Por essa razão, a compreensão desse conceito é imprescindível para um investidor estratégico, já que uma boa liquidez e bons proventos são essenciais para uma vida financeira saudável.

Tipos de liquidez

Quanto aos tipos de liquidez no mercado financeiro, existem 4 tipos. São eles:

  • Corrente: associada aos compromissos de curto prazo;
  • Seca: semelhante à corrente, mas sem levar em conta o estoque;
  • Imediata: também ligada aos compromissos de curto prazo, no entanto é mais conservadora;
  • Geral: atrelada aos compromissos de médio e longo prazo.

E, para melhor analisar os tipos, usam-se essas regras:

  • Maior que 1 – boa situação;
  • Igual a 1 – recursos se igualam ao valor dos pagamentos;
  • Menor que 1 – não possui como quitar suas dívidas no momento.

Liquidez Corrente

Através deste indicador é possível avaliar a capacidade de determinada empresa honrar seus compromissos no período de curto prazo.

Através do cálculo podemos observar melhor:

Vemos uma imagem com uma equação que é: liquidez corrente é igual a ativo circulante dividido por passivo circulante

O ativo circulante são aqueles de curto prazo, enquanto os passivos circulantes são dívidas e impostos.

Liquidez Seca

Muito semelhante a corrente, porém, o estoque não é levado em consideração no cálculo pois, em alguns momentos, o estoque pode não ser considerado parte do patrimônio.

Para execução de cálculo, basta aplicar a fórmula:

Vemos uma imagem com uma equação que é: ativo circulante menos estoque, dividido por passivo circulante

Liquidez Imediata

Dentre os indicadores, este é o que mais visa a parte financeira da gestão como o caixa, contas em bancos, aplicações de pequenos prazos.

Dessa forma, não se consideram o estoque e outros valores por não estarem em mãos no cálculo de liquidez imediata.

O cálculo é:

Vemos uma imagem com uma equação que é: valores disponíveis dividido por passivo circulante

Liquidez Geral

Neste indicador, o foco está nos compromissos de médio e longo prazo. Assim, é possível um estudo mais detalhado a respeito do passado da empresa e, então, ter uma estimativa para compromissos no futuro.

Dessa forma, a equação para o cálculo é:

Vemos uma imagem com uma equação que é: ativo circulante mais o realizável a longo prazo, dividido por passivo circulante mais o exigível a longo prazo.

Qual a diferença entre liquidez e rentabilidade?

Apesar de poderem parecer semelhantes à primeira vista, possuem características completamente distintas.

Como dissemos anteriormente, a liquidez tem a ver com a capacidade de transformar um ativo em dinheiro, em contraste com o rendimento, que diz respeito à capacidade de gerar lucro ao aportar em uma aplicação – essa é a diferença entre liquidez e rentabilidade.

De uma maeneira geral, é possível descrever a Rentabilidade como o crescimento do valor monetário de um investimento, e a Liquidez como a facilidade de conseguir resgatar esse retorno. Sendo assim, estes são conceitos difíceis de se separar durante uma análise.

Na prática, é preciso entender que os investimentos ou possuem altos rendimentos ou alta liquidez (normalmente) e, por isso, deve-se escolher sua estratégia para ver qual mais compensa no seu caso.

Como identificar uma boa liquidez?

Para identificar com sucesso uma boa liquidez antes de investir, mantenha em mente três conceitos:

Prazo de Resgate

Diz respeito à facilidade do investidor em recolher o valor aplicado e sua rentabilidade.

Os investimentos de liquidez diária, sobre o qual falaremos daqui a pouco, são os que apresentam menor prazo: o dinheiro cai na conta do investidor no dia seguinte à solicitação do resgate.

Prazo de Carência

Funciona como o prazo de carência dos planos de saúde, após a aplicação, existe um período mínimo no qual o seu dinheiro precisa ficar aplicado.

Durante este período, a liquidez do investimento é zero e você não poderá resgatar o valor que foi investido.

Com isso, quanto menor for o prazo de carência de um Fundo, automaticamente, maior será a sua liquidez.

Prazo de Vencimento

Enquanto isso, o prazo de vencimento é a data na qual o valor investido retornará para a conta do investidor.

Este dinheiro volta, então, juntamente com os juros acumulados durante todo o período no qual o investimento esteve aplicado.

É importante saber, no entanto, que nem todas as aplicações possuem um prazo. Alguns investimentos podem seguir sem uma data de término pré-determinada.

Qual a relação entre liquidez e risco?

A relação entre liquidez e risco se dá, na maioria das vezes, pelo fato de que, uma menor liquidez, apesar de mais rentável, também pode apresentar maior risco.

Isso não é uma regra, porém, pode acontecer. É preciso avaliar todo o conjunto pois é possível, por exemplo, que um investidor escolha um Fundo que, apesar de seguro, não tem liquidez. Neste caso, haveria o ponto negativo de não poder resgatar o dinheiro rapidamente caso precisasse. 

Ao mesmo tempo, nem sempre um ativo mais rentável terá pouca liquidez. Isso significa que, apesar de haver uma tendência à liquidez menor e rentabilidade e risco maiores, isso não é uma verdade absoluta. É preciso avaliar todo o cenário.

É importante saber que não há uma data específica na qual o resgate é mais seguro, porém, momentos de valorização do ativo são mais oportunos.

Tudo isso depende, então, da situação do mercado no momento. É preciso levar em consideração a inflação, o preço da moeda estrangeira e outros fatores.

Quais investimentos têm liquidez diária?

Se você busca investimentos com liquidez diária, busque os seguintes saiba que os tipos de investimento abaixo podem, em alguns casos, apresentar essa características:

  1. FIIs;
  2. Ações;
  3. Tesouro Selic;
  4. Fundos de Investimento;
  5. ETFs;
  6. CDBs.

Não tenha isso como uma regra, porém, é possível encontrar ativos de liquidez diária com mais facilidade navegando entre estes tipos de investimentos.

Por que analisar liquidez antes de investir?

Liquidez e rentabilidade: dois termos que podem causar certo equívoco em suas definições, pois suas diferenças precisam ser entendidas.

Enquanto liquidez tem a ver com facilidade de tornar um ativo em dinheiro, a rentabilidade é o lucro devido a um investimento.

Vimos também que a liquidez determina como serão seus proventos e com qual facilidade o investidor poderá resgatá-los. A liquidez é um fator importante e, por isso, é interessante avaliá-la e ser sempre diligente com suas aplicações.

ACESSO RÁPIDO
    Jacinto Neto
    Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
    Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

    Leia também