Finanças Pessoais

Spread bancário: o que é, como é calculado e por que tão alto no Brasil?

Spread bancário: o que é, como é calculado e por que tão alto no Brasil?

Para tratarmos do “spread bancário”, é interessante pensarmos no “spread” de maneira geral. E, para fazê-los, vamos colocar em um exemplo cotidiano:

Pense no dono de um supermercado para entendermos o conceito geral de spread – antes de discutirmos o spread bancário. Ele compra as mercadorias que venderá no mercado, por vezes, diretamente dos produtores daqueles alimentos. Por exemplo: ele compra uma barra de chocolate por R$2,00.

Porém, para disponibilizar essa barra de chocolate no mercado, ele precisa adicionar no seu preço de venda uma série de custos: custo de transporte, custos administrativos, custo do aluguel do imóvel utilizado pelo mercado, salário dos funcionários, entre outros. 

Vamos supor que os custos administrativos somam mais de R$2,00 no custo total.

Mas, para além disso, se o empresário deseja obter lucro, ele precisa, na verdade, colocar uma margem de lucro em cima do preço desse chocolate. Após alguns cálculos, ele conclui que precisa adicionar mais R$1,00 ao preço final do chocolate.

Ou seja, o chocolate será vendido para você, o consumidor final, por R$5,00 e não pelos R$2,00 de custo direto do produtor. Esses R$3,00 adicionais seriam o “spread” dessa operação.

Vamos entender em maiores detalhes o que é o spread no contexto bancário, como calcula-se e por que é tão alto no Brasil.

O que é spread bancário?

O spread em si, fora do contexto bancário, pode ser explicado em termos simples como a diferença entre o preço de compra e o preço de venda em algum tipo de operação financeira.

No caso especificamente do spread bancário, estamos falando da diferença da taxa de captação e a taxa de empréstimo definida por um banco. 

Na prática, seria, por exemplo, quanto o banco cobra de alguém que está fazendo, por exemplo, um empréstimo pessoal e o quanto ele pagaria para essa mesma pessoa se ela investisse na sua poupança.

Ou seja, se um banco em questão pagasse 4% ao ano na poupança – ou em alguma renda fixa, como um CDB – para uma pessoa e, ao mesmo tempo, cobrasse um juros de 24% no empréstimo pessoal, estamos falando de um spread de 20%. Esses 20% serão o “lucro” obtido nessa operação pelo banco.

Como calcular o spread bancário?

Para calcular o spread bancário, é preciso levar em consideração uma série de despesas, além do lucro que a instituição financeira deseja obter. Os principais fatores do cálculo são:

  • Inadimplência
  • Impostos diretos
  • Custos administrativos
  • Compulsório e encargos
  • Lucro previsto pela instituição

Por que ele é tão alto no Brasil?

O Brasil é, atualmente, um dos países com maior spread bancário do mundo todo. Mas esse fato pode ser explicado por fatores que são de acessível conhecimento e entendimento:

  1. Alta inadimplência

Além de ter uma das maiores taxas de spread, o Brasil também possui uma das maiores taxas de inadimplência do mundo. Ou seja, as pessoas devedoras por vezes não pagam suas dívidas.

  1. Concentração bancária

O Brasil possui uma alta concentração bancária, sendo as 5 maiores instituições financeiras correspondentes a 80% do mercado, enquanto em países como os Estados Unidos, essa taxa cai pela metade.

  1. Impostos

Os impostos cobrados nas operações bancárias são relativamente altos e numerosos, tornando-as custosas para o consumidor final

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também