Finanças Corporativas

Por que o lucro líquido da empresa é importante para os investidores?

Por que o lucro líquido da empresa é importante para os investidores?

Investir na renda variável requer planejamento e atenção a vários fatores. Um deles é o lucro líquido da empresa. Afinal, ele indica se a companhia é financeiramente sustentável.

Portanto, quanto melhor for o lucro líquido do negócio, mais interessante ele é. Isso porque o dado comprova a capacidade financeira da empresa. Da mesma forma, também sinaliza o potencial de pagar dividendos aos acionistas.

Por isso, é essencial atentar a esse requisito antes de decidir pela compra de um ativo. Entenda melhor o que ele significa.

O que é lucro líquido?

O lucro líquido representa o rendimento real de uma empresa. Ele é resultado da diferença entre o faturamento total e o custo total. Portanto, mostra os ganhos da companhia depois de terem sido feitos todos os descontos obrigatórios.

Esse dado também é chamado de bottom line. Isso porque ele está na última linha da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE), um dos principais relatórios contábeis.

Lucro líquido x dinheiro em caixa

Apesar de muita gente acreditar que os dois termos são sinônimos, isso não acontece. Para entender a diferença, é preciso saber interpretar o Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC).

De modo geral, a DRE apresenta uma expectativa. Portanto, os dados apresentados nesse relatório podem representar uma entrada de dinheiro. Por outro lado, o DFC mostra toda a movimentação do caixa.

Isso faz com que a análise desses dois relatórios seja complementar. Afinal, a DRE trará uma espécie de previsão. Por que isso acontece?

Um dos motivos é a apuração segundo o regime de competência. Em outras palavras, o que importa é o valor da operação, não a forma de pagamento.

Com isso, o dinheiro das parcelas pode ser lançado na DRE mesmo antes de entrar em caixa. Assim, a análise traz um indicativo, mas não mostra a situação real da companhia.

Quer um exemplo para ficar mais claro? Imagine que a empresa X vendeu R$ 400 mil em um mês. Desse total, R$ 300 mil são relativos a vendas a prazo. Desse modo, o dinheiro vai demorar alguns meses para entrar em caixa.

Ainda assim, estará discriminado na DRE que o lucro líquido foi de R$ 400 mil. Devido a essa característica, esse indicador é chamado de potencial de caixa.

Ao mesmo tempo, uma empresa pode registrar lucro líquido, mas estar perto da falência. Isso porque é preciso transformar esse indicador em dinheiro.

Aqui, entra novamente a DFC. Ao fazer uma análise aprofundada desse relatório em conjunto com a DRE, é possível identificar a real situação do negócio.

Executivo em uma reunião desenha uma seta para cima para sinalizar a alta do lucro líquido da empresa

Como calcular o lucro líquido?

A fórmula aplicada é simples:

Lucro líquido = receitas – despesas variáveis – despesas fixas

Vale a pena observar que a diferença entre receitas e despesas variáveis forma o chamado lucro bruto. Ele é definido pelo total obtido, sem haver deduções relativas a impostos e encargos.

As receitas consistem no faturamento alcançado. Já a despesas variáveis são aquelas que dependem da produção ou das vendas. Por exemplo:

  • gastos com materiais de produção;
  • pagamento de comissões;
  • taxas de cartão de crédito.

Além disso, existem as despesas fixas. Esses gastos são aqueles que não variam conforme as vendas ou a produção. Portanto, precisa ser quitados todos os meses. Entre os principais estão:

  • salários dos colaboradores;
  • seguros da empresa;
  • aluguel do espaço.

Para entender, veja o seguinte exemplo. A empresa Y produz apenas um produto. No período analisado, foram fabricadas 20.000 unidades a R$ 2 cada, considerando todas as despesas variáveis. O preço de venda unitário foi de R$ 5,50. Por sua vez, as despesas fixas chegaram a R$ 10.000.

Assim, primeiro encontramos a receita total da empresa. Nesse caso, o resultado é de R$ 110.000 (20.000 x R$ 5,50). Em seguida, as despesas variáveis, que totalizam R$ 40.000 (20.000 x R$ 2).

Portanto, o lucro bruto é de R$ 70.000. A partir disso, podemos chegar ao indicador de lucro líquido. Basta diminuir as despesas fixas. Então, temos R$ 60.000 (R$ 70.000 – R$ 10.000).

Por que é importante conhecer o lucro líquido?

Essa informação é útil tanto para empresas quanto para investidores. Afinal, o indicador é utilizado para medir capacidade de pagamento da empresa e seu sucesso.

Portanto, essa informação ajuda os gestores a decidirem sobre:

  • a remuneração de acionistas, sócios e colaboradores;
  • o investimento em novos projetos, a fim de garantir o crescimento contínuo;
  • a formação de reservas financeiras, para aumentar a sustentabilidade do negócio.

Por outro lado, o lucro líquido para o investidor também é importante. Por meio dele, é possível ter uma noção de como a empresa está no quesito financeiro.

Além disso, é possível identificar se vale a pena aplicar o seu dinheiro. Porém, é bom lembrar de que essa análise precisa ser complementada tanto pelo DFC quanto pelo balanço patrimonial.

Executivos apertam as mãos em frente a várias notas de dólar mostrando o lucro líquido de uma empresa

O que é margem de lucro líquido e por que é importante?

O lucro líquido é importante para que o investidor calcule esse outro indicador. A chamada margem líquida mostra qual é o percentual de lucro em comparação com o faturamento da empresa.

Por que essa visão é importante? A margem de lucro líquido sinaliza como está o sistema produtivo da empresa. Ou seja, se ele é viável ou não.

Também demonstra como está o nível de rentabilidade. Afinal, relaciona custo de produção e valor da mercadoria. Para os investidores, é uma forma de saber se os gastos são excessivos e se a companhia é bem gerida.

Cálculo da margem de lucro líquida

Essa informação está descrita na DRE. Por isso, não é preciso fazer o cálculo do indicador. Especialmente, se a companhia for de capital aberto. Nesse caso, há obrigação de divulgar as informações com frequência. Portanto, basta consultar o site de Relações com Investidores (RI).

De toda forma, se você quiser fazer o cálculo, basta aplicar a seguinte fórmula:

Margem líquida = (lucro líquido / receita líquida) x 100

Ainda é importante ressaltar que não há resultado ideal. A porcentagem depende muito da área de atuação da empresa. Por exemplo, no varejo, tende a ser baixa. Já no segmento de transmissão de energia, é alta.

Porém, quando são comparadas companhias do mesmo segmento, a margem líquida ajuda a identificar qual tem maior vantagem competitiva. Assim, sinaliza qual empresa agrega valor ao ofertar um produto por preço mais elevado com um custo de manutenção baixo.

Além disso, existem duas questões a avaliar. O resultado baixo pode indicar que o mercado tem grande concorrência. Já a margem alta sinaliza um possível monopólio ou oligopólio.

Em suma, o lucro líquido é um bom indicativo. Apesar de ele precisar de complemento, traz uma visão diferenciada do negócio. Desse modo, é mais fácil tomar decisões acertadas.

Jacinto Neto
Jacinto Neto
Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também