Fundos Imobiliários

É arriscado investir 100% em FIIs? Veja as vantagens e desvantagens

É arriscado investir 100% em FIIs? Veja as vantagens e desvantagens

No mercado financeiro, principalmente, risco é a possibilidade de algo vir a acontecer e precisa ser ponderado. Mesmo os Fundos Imobiliários, considerados ativos seguros para alocar capital, podem apresentar riscos. Nesse sentido, é arriscado investir 100% em FIIs? 

Em linhas gerais, os investidores conhecem a necessidade de estudar o ativo antes de investir capital. E o que acontece em alguns casos é que pela sua fama de segurança, alguns investidores têm sua carteira totalmente – ou quase – composta por fundos imobiliários. O que esclarecemos neste artigo: é ou não arriscado investir 100% em FIIs? Vejamos!

Quais os riscos que envolvem investir em Fundos Imobiliários?

Assim como todos os ativos no mercado financeiro, até mesmo os de Renda Fixa, existem riscos em investir em fundos imobiliários. Entretanto, é importante enfatizar dois aspectos chave:

  • Fundos Imobiliários são investimentos de Renda Variável
  • Apesar de serem Renda Variável, eles possuem uma volatilidade, em média menor que ações

É importante ter esses dois pontos em mente porque assim como todos os investimentos em renda variável, a oscilação se faz presente e não é possível ter uma altíssima previsibilidade. Inclusive, FIIs são muito suscetíveis aos altos e baixos da bolsa, como as próprias ações. 

Ou seja, os FIIs possuem períodos de altas e períodos de baixa e, se acontecer algum evento que impacte negativamente a bolsa de valores, esse tipo de ativo muito provavelmente será impactado negativamente – o que também se faz válido em ocorrências positivas.

Entretanto, é fato de que FIIs são muito indicados para quem está começando em investir em renda variável, especialmente se o intuito é ter renda passiva com certa “segurança”, justamente por apresentarem em média um comportamento menos volátil que o de ações. E também, por serem relativamente simples de analisar, acompanhar e, até certo ponto, “prever” tanto movimentos de alta e baixa quanto sua rentabilidade – especialmente dos dividendos.

Ok, dadas as devidas considerações: afinal, quais são os riscos envolvidos em investir em fundos imobiliários?

  1. Oscilações da bolsa

Um dos principais riscos de investir em FIIs está especialmente vinculado ao fato dele ser um tipo de ativo de renda variável, listado na bolsa.

Como qualquer ativo dessa natureza, há grande suscetibilidade nos fundos imobiliários ao que acontece no mercado financeiro, especialmente no que está acontecendo na bolsa de valores (no caso do Brasil, da B3).

Assim, quando há movimentos de baixa na bolsa, também pode haver um movimento de baixas nos FIIs. Assim como se ocorrer algum fato relevante tanto para a bolsa quanto para o próprio segmento de fundos imobiliários, também há a possibilidade dos FIIs serem impactados, seja positiva ou negativamente.

Por fim, em momentos de alta na Selic, também há um movimento natural de queda na bolsa que deve ser considerado, o que impacta fortemente os FIIs, que são uma opção atraente para quem quer ganhar renda sem precisar passar por uma volatilidade tão alta como de certas ações.

  1. Imprevisibilidade da exata rentabilidade

Diferente da Renda Fixa, os FIIs não possuem uma rentabilidade acordada previamente – por mais que seja possível haver oscilações leves nessa categoria de ativos. Assim, é impossível saber com exatidão qual será a rentabilidade ao investir em um fundo.

Isso se faz válido não apenas ao preço de uma cota, sendo esse o aspecto mais lembrado entre os investidores, mas também na própria distribuição de dividendos, que é o que mais atrai os investidores – especialmente de perfil mais conservador – nesse tipo de ativo.

Apesar de haver uma certa tendência de FIIs distribuírem mensalmente – ou, ao menos, se aproximarem dessa frequência de distribuição –, há a possibilidade, especialmente mediante a eventos imprevistos – como foi o caso da própria pandemia – de não haver a distribuição em um mês ou em alguns meses específicos.

Ainda, é possível que haja uma variação no quanto um fundo imobiliário distribui dividendos ao longo dos meses. Ou seja, podem haver meses que um determinado FII tenha um dividendo mensal de 1% e, em outro, tenha um de 0,9%. Não é possível prever com exatidão tanto o dividendo mensal quanto o dividend yield no decorrer de um ano.

  1. Diluição na participação com o passar do tempo

Por fim, um risco que para muitos não é considerado tão grave, mas que é relevante se atentar para é a potencial diluição da sua participação em um FII. Isso ocorre especialmente porque FIIs realizam emissões de maneira, de certa forma, rotineira. Assim, é uma prática muito comum e que ocorre de tempos em tempos.

Porém, com novas emissões, se você decidir por, por exemplo, não exercer do direito à subscrição, você pode ter sua participação diluída no FII no qual a administração e/ou gestão decidiu por fazê-la.

Vantagens e desvantagens de investir 100% em FIIs

Agora que você já compreendeu os potenciais riscos de se investir em fundos imobiliários, fica mais fácil entender se é arriscado investir 100% em FIIs ou não. 

Os riscos que existem em investir em fundos imobiliários se fazem presentes mesmo se você construir uma carteira balanceada composta 100% de FIIs. Vamos entender mais a fundo quais são as vantagens e desvantagens de ter uma carteira 100% em FIIs.

Vantagens

Existem duas vantagens claras em investir 100% em FIIs: a primeira delas é a vantagem de poder – em média – receber mais dividendos com FIIs do que com ações e até mesmo ter uma rentabilidade melhor – em certos momentos – do que investindo na Renda Fixa com um nível de risco não muito mais elevado.

Desvantagens 

É preciso entender que como qualquer ativo fundos imobiliários apresentam riscos e a melhor maneira de mitigar riscos no mercado financeiro é criando uma diversificação saudável na sua carteira.

Assim, as desvantagens de investir 100% em FIIs são relacionadas ao risco que você tem ao não ter uma carteira diversificada e balanceada:

  1. Baixa em FIIs: se houver um evento de baixa no mercado de FIIs, no geral, e de repente haver uma grande desvalorização desse tipo de ativo, você verá seu patrimônio todo sendo desvalorizado e, em última instância, poderá ter um prejuízo significativo.
  2. Baixa em Renda Variável: o mesmo se faz válido para casos em que há uma movimentação de queda em ativos de renda variável, o que pode acontecer em momentos de instabilidade econômica, política ou, até mesmo, com a alta da taxa Selic. É impossível prever as altas e baixas do mercado financeiro.
  3. Custo de oportunidade: por fim, um risco que nem sempre é claro e é, por vezes, difícil de estimar, é o risco vinculado ao custo de oportunidade de alocar 100% do seu patrimônio em uma classe de ativos específica. Pode ser que em alguns momentos o mercado apresenta oportunidades muito melhores em ações, ou em CDBs, LCIs, LCAs, etc. Assim, é interessante se aproveitar de boas oportunidades que nem sempre estarão entre os FIIs.

É arriscado manter a carteira 100% em algum ativo?

Como vimos ao longo do artigo, a resposta para a pergunta “é arriscado investir 100% em FIIs“, é um: em partes, sim. 

Apesar de haverem vantagens em ter seu patrimônio alocado de maneira integral em fundos imobiliários, é interessante possuir ao menos um pouco de diversificação na sua carteira para se blindar de potenciais crises.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também