Mercado Financeiro

Dividend Yield: o que é e como calcular o Rendimento de Dividendos

Dividend Yield: o que é e como calcular o Rendimento de Dividendos

Muitos investidores compram ações e esperam lucrar com a valorização do seu preço. No entanto, parte deles visa um rendimento a mais: a distribuição de proventos periódicos daquela empresa. Isso é o Dividend Yield. 

Essa é uma métrica que calcula o rendimento de uma ação a partir do pagamento de dividendos. Continue a leitura e entenda como tirar bom proveito do dividend yield e usá-lo como estratégia financeira.

O que é Dividend Yield?

A tradução de Dividend Yield (DY) seria o “Rendimento de Dividendos”.

Logo, o significado de dividend yield nada mais é do que o retorno em dividendos que determinada empresa distribui aos seus acionistas.

Ranking de Dividend Yield

Existe um ranking das melhores empresas pagadoras de rendimento de dividendos.

E para que serve esse ranking? Serve justamente para mensurar o desempenho das companhias.

Entretanto, analisar rankings de forma isolada pode distorcer a sua avaliação como investidor. Por isso, leia sempre a política de distribuição de lucros das empresas desejadas.

Alguns especialistas costumam indicar as empresas dos setores bancários, de energia e infraestrutura como as melhores pagadoras de Dividend Yield.

No entanto, ao analisar tais dados, é importante levar em consideração não apenas os números do passado, mas também todo contexto de saúde financeira da empresa.

Pois, é possível ocorrer situações nas quais as empresas em fragilidade financeira distribuem lucros para atrair mais investidores, visando atrair capital.

Dessa forma, pode ser um risco para os investidores que apenas observam rankings dos DY.

Uma dica é apostar não só em ativos que paguem maiores dividend yield, mas também em ativos que tenham um bom potencial de valorização.

O que é Dividend Payout?

Também conhecido apenas como Payout, o termo também é importante para os investidores, e se refere à porcentagem total do lucro líquido que é distribuída como forma de remuneração aos cotistas, seja ela em forma de dividendos ou de juros sobre o capital próprio.

O cálculo do Dividend Payout é simples: basta dividir o valor total distribuído aos acionistas pelo total do lucro líquido gerado pela empresa ou Fundo.

Ou seja: se um Fundo teve, no ano, R$100 Milhões de Lucro Líquido e o valor total distribuído aos investidores foi de R$35 Milhões, o Dividend Payout foi de 35%.

Embora não exista uma lei que defina qual é o valor mínimo que uma companhia de capital aberto deve distribuir a seus investidores, é comum que seja estipulada uma base de 25%. É preciso, apenas, que o valor seja definido em estatuto.

Como calcular Dividend Yield?

Saber calcular e interpretar o DY é fundamental para uma boa diversificação da carteira de investimento.

Cada empresa decide o quanto pagar de provento aos seus acionistas, e a distribuição de lucros é periódica.

O cálculo do DIY é bem simples:

Você divide o valor de dividendos pagos em determinado período pelo preço individual da ação antes dessa distribuição de dividendos. Depois, basta multiplicar esse resultado por 100.

Observe na prática a fórmula do dividend yield abaixo:

Em outras palavras, isso significa que caso um investidor tenha ações em determinada empresa que neste ano tenha pago R$4,00 de proventos em cada ação.

Imagine que o valor do ativo estivesse a R$40,00.

Logo, o DY seria de 10%.

Como saber se um Dividend Yield é bom?

Agora, você já sabe como realizar o cálculo do Dividend Yield. No entanto, também é preciso saber analisá-lo e interpretá-lo corretamente.

Afinal, ao se deparar com o resultado do cálculo, é comum que venha a dúvida: esse é ou não um bom dividend Yield?

A porcentagem ideal, na verdade, é por volta de 6%, de acordo com o famoso livro “Faça Fortuna Com Ações”. Enquanto algumas empresas ou Fundos podem apresentar um DY até mais alto do que esse, um DY abaixo de 6% pode não ser vantajoso para o investidor.

No entanto, é interessante analisar, além disso, como está o Rendimento de Dividendos se comparado à Renda Fixa. Comparando-o com CDBs, LCAs e Tesouro Direto, por exemplo, é possível saber como anda a relação entre as ações e a Renda Fixa.

Por último, tenha em mente que os dividendos costumam ser isentos de cobranças relacionadas ao Imposto de Renda.

E como funciona o Dividend Yield nos FIIs?

dividend-yield

Quando o assunto é investir em FIIs, um dos principais indicadores para montar um ranking das melhores opções para se investir, é o dividend yield.

Assim como o investidor que recebe parte dos lucros das empresas, o pagamento dos aluguéis segue a mesma lógica.

Como os FIIs são renda variável, atente-se ao fato de que o desempenho passado não garante ganhos futuros. Logo, é por isso que você precisa ser criterioso em suas avaliações e análises de informações referentes ao FII desejado. 

Por que analisar o Dividend Yield?

O Dividend Yield é um indicador muito importante para os investidores que visam receber renda passiva (conheça a renda passiva com FIIs).

Isso porque, através dele, o investidor consegue medir a performance das companhias ou Fundos antes de investir e, assim, ter uma melhor dimensão sobre o funcionamento dos mesmos e sobre a chance de que o investimento alcance suas expectativas.

Além disso, conhecendo o DY, é possível fazer comparações entre empresas e/ou Fundos e, assim, buscar os maiores dividendos da Bolsa.

No entanto, é preciso ter em mente que, assim como outros indicadores, o Dividend Yield deve ser considerado um dos fatores de todo um conjunto, pois analisar apenas ele pode não trazer resultados satisfatórios.

ACESSO RÁPIDO
    Jacinto Neto
    Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
    Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

    Leia também