Mercado Imobiliário

Buy to lease: entenda o conceito por trás do contrato imobiliário

Buy to lease: entenda o conceito por trás do contrato imobiliário

O mercado imobiliário, há décadas, se mostra como um dos mais atrativos não apenas no Brasil, mas ao redor do mundo. Não é incomum ouvirmos de parentes ou conhecidos o interesse de adquirir um imóvel para colocar para alugar como forma de investimento, por exemplo. E no contexto do investimento imobiliário profissional surgiu o Buy to Lease.

É de senso comum que o mercado imobiliário não é de simples entrada, há várias barreiras jurídicas e até de negócios para ser bem-sucedido ao investir em imóveis a fim de tornar esse investimento uma operação rentável.

Assim, investidores profissionais com conhecimento específico nesse mercado tornaram-se cada vez mais presentes e criaram diferentes estratégias e negociações imobiliárias mais robustas, a fim de aumentar as garantias e lucratividade no mercado.

Quer entender mais sobre o contrato Buy to Lease e a diferença dele para outros comuns no mercado imobiliário, como Sale and Leaseback e Built-to-Suit? Continue lendo este artigo!

O que é Buy To Lease?

O contrato buy to lease, também conhecido como buy and lease, possui no seu nome a essência da natureza desse contrato: em tradução livre, o termo significa “comprar para alugar”.

Nesse tipo de contrato imobiliário atípico, o investidor – profissional – compra um imóvel com o intuito de alugá-lo. Mas, afinal, o que o configura como um contrato diferente dos que vemos normalmente?

Nos contratos Buy To Lease, o proprietário adquire um imóvel a pedido do locatário. Ou seja, antes – ou simultaneamente – da compra do imóvel pelo investidor, já há um contrato estabelecido com o futuro inquilino.

Por ser uma operação que oferece certos riscos ao investidor e alguns benefícios contábeis e até monetários para os locatários, faz-se presente cláusulas mais rigorosas do que em contratos normais de locação.

As condições costumam ter um rigor maior na duração do contrato em relação às multas rescisórias. Buy to lease é mais longo, durando de 10 a 20 anos. Já as multas rescisórias costumam totalizar o valor dos aluguéis restantes, sem possibilidade de flexibilização.

Qual a diferença do Buy and Lease do Built-to-Suit e Sale and Leaseback?

As três modalidades hoje configuram os contratos “complexos” – ou atípicos – mais comuns no mercado de investimentos imobiliários. Em suma, a diferença consiste na existência do imóvel e na ocupação dele pelo locatário. Vamos entender cada um deles:

Built-to-Suit

O contrato built-to-suit configura uma operação na qual um investidor compra um terreno e constrói um imóvel “encomendado” por seu locatário. Ou seja, o futuro inquilino informa quais são as especificações – características – que ele procura num imóvel e o investidor – proprietário – constrói um imóvel a fim de alugá-lo para esse locatário.

Sale and Leaseback vs Buy to Lease

O contrato de Sale and Leaseback parece com o Buy and Lease, mas há uma diferença fundamental entre os dois. Enquanto no SLB o investidor compra um imóvel do locatário a fim de alugá-lo para ele posteriormente o contrato de BL consiste na compra de um imóvel para ocupação posterior do locatário.

Assim, a diferença entre os dois consiste no fato de que no contrato SLB o locatário já estava ocupando o imóvel previamente.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também