Mercado Financeiro

Valores mobiliários: conceito e principais tipos dentro do mercado financeiro

Valores mobiliários: conceito e principais tipos dentro do mercado financeiro

Define-se valores mobiliários como títulos financeiros de propriedade ou de crédito dentro do mercado financeiro. Esses títulos fazem parte das negociações diárias de investidores e empresas, sendo isso benéfico para ambos.

Devido a alta especificidade e importância dessas negociações, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) controla e fiscaliza os valores imobiliários, garantindo assim que os ativos sejam sujeitos a regras de compra e venda.

Mas, afinal, quais são os tipos de negociações e títulos que entram nessa definição? Acompanhe o artigo e entenda mais sobre esse conceito. 

O que são valores mobiliários?

A princípio, como vimos, os valores mobiliários são ativos financeiros comercializados no mercado sendo esses privados (por empresas) ou entidades públicas. 

Para as empresas serve como instrumento para captação de recursos monetários, para os investidores, são ativos que geram uma potencial rentabilidade com menor risco.

De acordo com a Lei 10303/2001 ficou definido como: ‘’valores mobiliários quaisquer títulos ou contratos de investimento coletivo que gerem direito de participação, de parceria ou remuneração, inclusive resultante da  prestação de serviços, cujos rendimentos advêm do esforço do empreendedor ou de terceiros”. Os tipos comercializados no Brasil são, ações, cotas de fundos de investimento e títulos de créditos (debêntures).

Principais tipos de valores mobiliários

No mercado de negociações financeiras existem diversos ativos financeiros ou valores mobiliários, portanto separamos os principais comercializados para aprofundar melhor no conceito. 

Ações

As ações são títulos que concedem ao investidor uma pequena fração do capital da empresa e, ao acionista adquirir uma cota, garante-se para si o direito de participação. O acionista recebe proventos a partir dos lucros e, ainda, em cima dos juros próprios da empresa. 

Subscrição

Também chamado de bônus de subscrição, ao aplicar em um ativo, o acionista recebe o direito de prioridade na hora de compra de novas ações – ou fundos, ou seja, ganha benefícios exclusivos para as negociações de novos ativos.

Debêntures 

São títulos privados de créditos com objetivo de obter capital para financiar as atividades da empresa. São considerados ativos de renda fixa pois já são pré-estabelecidos valores no momento da compra. 

Contratos futuros

São negociações do mercado futuro e,como o nome já sugere, são contratos derivados de ativos com data de compra e venda futura. Portanto, permite ao investidor ganhar lucros com a oscilação dos valores dos títulos. 

Brazilian Depositary Receipts (BDR)

Os BDRs são Certificados de Compra de Valores Mobiliários e permitem ao investidor a compra de ações estrangeiras. Dessa forma, tem-se o título que irá representar a ação da empresa e não a compra direta de uma ação daquela empresa.

Cotas de fundo de investimento 

Nessa categoria de títulos, o investidor passa a receber parte dos rendimentos do fundo devido sua aplicação de maneira coletiva em determinada cota de fundos,


O Sistema Financeiro Nacional (SFN) negocia os valores mobiliários e, assim, abre um leque de aplicações no mercado financeiro de acordo com cada perfil de investidor.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também