Mercado Financeiro

Criptomoeda: entenda como funciona o investimento

Criptomoeda: entenda como funciona o investimento

Desde o surgimento da criptomoeda – como o Bitcoin, por exemplo-, existem muitas dúvidas acerca do assunto. Afinal, o que são estes ativos e como funciona sua a rentabilidade?

Se você se interessa pela criptomoeda e deseja entender melhor esse tipo de investimento, acompanhe o artigo.

O que é criptomoeda?

Com a tecnologia se desenvolvendo e atuando em um diverso e grande número de áreas diferentes, era de se esperar que algo de valor surgisse em relação ao mercado de investimentos. E, assim, a primeira – e mais conhecida – criptomoeda foi criada no ano de 2008: o Bitcoin.

Porém, apenas nos últimos anos o valor destes ativos tem se tornado mais alto e reconhecido, o que desperta o interesse de muitos investidores.

As criptomoedas são, basicamente, dinheiro digital. Elas existem apenas no virtual, não sendo emitidas por nenhum governo. Porém, por terem emissão limitada, as criptomoedas são bastante disputadas.

Qual o objetivo das criptomoedas?

Com o objetivo de tornar as negociações mais seguras e limitar o número de intermediários nas operações, as criptomoedas – que já são mais de três mil tipos – surgiram com o objetivo de empoderar pessoas físicas em suas trocas financeiras.

Além disso, outro objetivo das moedas digitais é a democratização em relação à distribuição – e à produção – de dinheiro.

Vale lembrar que, além de servir como moeda de troca, o “dinheiro digital” pode ser uma boa opção de reservar economias – e é por isso que tantos se interessam em investir nas criptomoedas.

As criptomoedas são ilegais?

Cada país tem sua política em relação às criptomoedas. No Japão, a criptomoeda é considerada uma forma de pagamento legal. Já na China, por exemplo, os criptoativos são totalmente proibidos.

No Brasil, as criptomoedas não são consideradas ilegais: você pode comprar, deter e fazer transações. Porém, elas são consideradas um bem – como se fossem um apartamento ou carro em seu nome, por exemplo -, ao invés de uma moeda.

Isso faz com que, aqui, haja a cobrança de impostos sobre a quantidade de criptomoedas informadas no momento de declarar o seu imposto de renda.

Investir em criptomoedas é seguro?

Por ser um investimento de renda variável – afinal, o valor desses ativos está sempre mudando -, a criptomoeda apresenta um certo fator de risco, mesmo que bastante moderado.

Sendo assim, podemos afirmar que o maior risco que deve ser assumido ao investir em moedas digitais é a sua volatilidade, levando em conta que a rentabilidade do criptoativo não é totalmente garantida devido às frequentes variações.

E é justamente por este motivo que as criptomoedas são indicadas para investidores de perfil moderado: aqueles que desejam permanecer em uma área de investimentos segura, porém, que não têm medo de arriscar de vez em quando visando um retorno maior. Por isso, antes de aplicar, é importante saber o seu perfil de investidor.

Em relação à segurança quanto ao valor do ativo, há um tema que gera desconfianças: não há nenhum lastro oficial que garanta o valor das criptomoedas. Apesar de parecer estranho, a criptomoeda põe em prática o conceito de que o lastro não é realmente necessário.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também