Finanças Corporativas

Capex: entenda o que classifica os investimentos de uma empresa

Capex: entenda o que classifica os investimentos de uma empresa

Realizar a gestão financeira pode ser uma tarefa complicada sem as ferramentas adequadas para facilitar este serviço. Por isso, surgiu o Capex, ligado ao ativo da empresa.

Capex e Opex são duas nomenclaturas econômicas que, utilizadas em conjunto, proporcionam uma experiência mais esclarecedora quanto a como administrar os recursos de uma empresa. Para conhecê-las, basta acompanhar este artigo!

O que é Capex?

Antes de tudo, é importante destacar que Capex é uma nomenclatura econômica que serve, juntamente com a Opex, para categorizar os tipos de investimentos realizados pela empresa em questão.

Em termos de praticidade, o uso da Capex e da Opex (que significam Capital Expenditure e Operacional Expenditure, respectivamente) é uma forma de facilitar o trabalho dos gestores, tornando o controle financeiro da empresa muito mais eficiente.

Na prática, como o nome sugere, Capex é a nomenclatura relacionada diretamente às despesas de capital da empresa: investimentos como novas máquinas ou melhoria de equipamentos, por exemplo.

Enquanto isso, a Opex engloba os gastos operacionais: contratação de serviços terceirizados, manutenção, folha de pagamento e outros.

Embora ambos sejam investimentos necessários para o bom andamento de qualquer empresa, por terem objetivos diferentes, devem ser controlados separadamente – e é justamente por isso que existem estas duas nomenclaturas.

Como funciona?

O Capex segue o princípio de que, quanto mais recursos a empresa investir em melhorias operacionais, maiores serão a qualidade e o desempenho deste setor.

Portanto, confira abaixo alguns exemplos de investimentos Capex, considerados de longo prazo:

  1. Aquisição de um terreno ou frota;
  2. Expansão da planta da indústria;
  3. Adesão a novas tecnologias;
  4. Atualização da base, instalando uma nova infraestrutura.

Vale lembrar que manutenções não são inclusas no Capex: apenas a aquisição de novos bens entra para esta categoria de investimentos.

O cálculo para controle do Capex pode ser feito através do próprio Balanço Patrimonial da empresa. Confira a fórmula deste cálculo:

Capex = Variação dos Ativos Imobilizados (atual – anterior) + depreciação.

Conheça os prós e contras

Apesar de proporcionar mais organização e eficiência ao trabalho do Gestor, o Capex, como qualquer outra ferramenta, também tem suas vantagens e desvantagens. Veja:

Vantagens do Capex

  1. É sempre considerado um investimento, o que significa que todos os gastos que se enquadram no Capex trarão retorno e aumento de lucratividade;
  1. São investimentos com retorno a longo prazo, ao contrário do Opex;
  1. Oferece maior previsibilidade sobre quais serão as “recompensas” pelo capital investido;
  1. Representa o aumento do fluxo de caixa dos ativos da empresa.

Desvantagens do Capex

  1. Por serem investimentos que visam o retorno a longo prazo, frequentemente têm custo alto a curto prazo;
  1. A aprovação desses gastos pode ser um processo mais lento e complicado;
  1. Há depreciação dos bens adquiridos.

Funcionamento em conjunto entre Capex e Opex

Como foi citado anteriormente, os dois tipos de investimento são necessários para a eficiência e bom funcionamento de uma empresa e, por isso, devem ser gerenciados separadamente, levando em consideração a estratégia de cada um.

Os gastos Opex, que são de curto prazo, são necessidades para os funcionários. Por isso, podem ser considerados prioritários em algumas empresas.

Entretanto, os investimentos da categoria Capex são de longo prazo e, apesar de representarem um gasto maior, visam aumentar o lucro da empresa através da melhoria do desempenho da organização.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também