Economia Nacional

IGP-DI: Entenda como funciona o Índice Geral de Preços

IGP-DI: Entenda como funciona o Índice Geral de Preços

O índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna, conhecido pela sigla IGP-DI, é uma ferramenta muito importante para medir a alta nos preços das matérias-primas, ajudando as empresas a calcularem seus custos de produção e os clientes a medirem a alta nos preços.

É importante notar, todavia, que o IGP-DI é diferente do IGPM, que avalia os preços de mercado para apontar a inflação nos produtos. 

Então, para entender mais sobre como o índice IGP-DI funciona, continue lendo esta matéria!

O que é o IGP-DI?

A princípio, o IGP-DI começou a ter seus resultados divulgados no ano de 1947 e, ainda, é considerado um dos principais índices que medem a constante mudança de preços no país.

Por este motivo, é utilizado também como uma base para a realização de correção de preços e valores contratuais no Brasil.

Como o IGP-DI funciona?

Calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas, o IGP-DI apresenta três índices componentes: IPA, IPC e INCC, que serão explicados nos próximos tópicos.

IPA – Índice de Preços ao Produtor Amplo

Um dos índices que o compõem é o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), considerado o principal medidor de alta nos preços do setor varejista do Brasil.

O IPA corresponde a 60% do IGP, refletindo a alta nos valores da produção dos bens industriais, agrícolas e das transações comerciais.

O IPA é medido com base nos seguintes grupos:

  • Bens finais

Como combustíveis, alimentação, equipamentos e máquinas;

  • Bens intermediários

Suprimentos, embalagens, materiais para manufatura, entre outros;

  • Matérias-primas brutas

Minerais e agropecuárias;

  • Produtos agropecuários

Pecuária e lavouras temporárias e permanentes;

  • Produtos da indústria de transformação

Como os produtos alimentícios, bebidas, produtos químicos e metalurgia básica;

  • Produtos da indústria extrativa

Minerais metálicos e não-metálicos, além de carvão mineral.

De acordo com o peso de cada um desses fatores – que é determinado pelos hábitos e quantidade de consumo -, são calculadas as variações de preço.

Geralmente, a categoria considerada com maior peso é a indústria de transformação.

IPC – Índice de Preços ao Consumidor

Como a nomenclatura sugere, o Índice de Preços ao Consumidor mede a mudança de preços dos bens e serviços que moldam as despesas mensais das famílias brasileiras.

As principais capitais estudadas para o desenvolvimento do IPC são: Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Porto Alegre e Salvador.

As categorias levadas em consideração para a construção deste índice são:

  • Vestuário;
  • Habitação;
  • Transportes;
  • Alimentação;
  • Comunicação;
  • Despesas diversas;
  • Saúde e cuidado pessoal;
  • Educação, leitura e recreação.

No momento, as duas categorias de maior peso no Índice de Preços ao Consumidor são a habitação e a alimentação.

O IPC representa 30% do IGP, ficando atrás do IPA na composição do mesmo.

INCC – Índice Nacional de Custo de Construção

O último índice componente do IGP é o INCC, que mede o custo da construção civil no país.

Este índice é medido com base em menos categorias. São elas:

  • Materiais, equipamentos e serviços;
  • Mão-de-obra.

Sendo assim, o Índice Nacional de Custo de Construção representa apenas 10% do IGP-DI, o menor peso entre os três índices componentes.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também