Mercado Financeiro

Swap: como funciona e qual o objetivo da operação?

Swap: como funciona e qual o objetivo da operação?

Considerada uma operação sofisticada dentro do mercado financeiro, o swap consiste em acordos para a troca de fluxos de caixa com o objetivo principal de proteção – se trata de uma estratégia de hedge.

Para saber tudo sobre como e porquê essa operação chamada swap é feita, continue a leitura deste artigo!

O que é swap?

O swap é um derivativo: um contrato mútuo cujo valor depende do valor de outro bem, valor financeiro ou materialista.

É uma negociação na qual dois acordantes (duas empresas, dois investidores, entre outros) fazem trocas de fluxos de caixa de dois ativos.

De acordo com esses critérios – como o prazo e o valor de referência, por exemplo-, um contrato dessa espécie pode valorizar ou não.

Qual o objetivo do swap?

Na maioria das vezes, essas operações são feitas para ajudarem estratégias de proteção contra mudanças muito bruscas no preço de um ativo.

Sendo assim, o contrato pode durar um longo período e, geralmente, são feitos por empresas, devido ao risco constante em relação às vendas ou atividades.

Alguns dos riscos dos quais as empresas tentam se proteger ao fazer esse tipo de contrato são:

  • Variações no câmbio (existe uma operação específica para isso: o swap cambial);
  • Mudanças no preço do combustível (que afetam principalmente as companhias aéreas);
  • Riscos proporcionados pela volatilidade do mercado de ações (que ameaçam as empresas gestoras de fundos).

Quais são as vantagens e desvantagens do swap?

Na prática, o swap – assim como qualquer outra estratégia financeira – apresenta riscos, prós e contras.

Confira abaixo alguns fatores a serem levados em consideração:

Vantagens

  • Proteção da sua empresa

Principalmente para as empresas que importam e​​/ou exportam seus produtos, o swap proporciona uma segurança maior.

Afinal, caso haja uma alta brusca nas moedas internacionais, a troca entre ativos pode ajudar a neutralizar muito os prejuízos e desequilíbrios que podem acontecer.

  • Processo descomplicado

Por mais que pareça assustador, o swap é a opção mais fácil e rápida para colocar em ação uma estratégia financeira – é muito mais rápido do que, por exemplo, realocar capital investido.

Desvantagens

  • Calcular errado o momento

Um dos maiores riscos apresentados  é a possibilidade de descobrir mais tarde que a operação foi feita em um momento ruim.

Um exemplo de caso assim seria quando o negociador resolve confiar na alta de uma moeda que acaba, na verdade, desvalorizando.

  • Juros e taxas

Antes de arriscar, é preciso avaliar com muita calma a possibilidade do surgimento de taxas e juros altos. Afinal, os indexadores podem surpreender.

Swap e hedge são a mesma coisa?

Na verdade, o swap é uma maneira de utilizar um hedge.

Hedge é o termo utilizado para se referir a uma estratégia de proteção contra possíveis variações de valores. Sendo então apenas um tipo de hedge.
Por isso, tome cuidado para não confundir os dois termos! Swap e hedge não têm o mesmo significado.

Jacinto Neto
Jacinto Neto Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também