Fundos Imobiliários

FIIs Híbridos: vantagens e desvantagens do Fundo Imobiliário Híbrido

FIIs Híbridos: vantagens e desvantagens do Fundo Imobiliário Híbrido

Fundos imobiliários são uma ótima opção para quem busca diversificação da carteira. E existem diferentes tipos de fundos, sendo um deles os FIIs híbridos.

É importante para qualquer investidor que pretender realizar aportes em FIIs híbridos conhecer suas vantagens e desvantagens. Por isso, vamos abordar o tema neste artigo.

O que são Fundos Imobiliários Híbridos?

De acordo com a deliberação ANBIMA nº 62, artigo 4º, um FII híbrido é um “fundo que conforme definido em seu regulamento objetiva investir, direta ou indiretamente, em imóveis relacionados a mais de um segmento”.

A principal vantagem desse tipo de fundo é a diversificação por conta da liberdade de alocação de recursos, podendo transitar entre diferentes tipos de imóveis, ou mesmo diferentes classes de ativos.

Dessa forma, ao investir em fundo híbrido, você tem acesso a uma carteira diversificada, com ativos diferentes, riscos diferentes e retornos diferentes.

Vale ressaltar que o custo de diversificação dos FIIs híbridos também é menor.

Afinal, ao comprar uma cota de um fundo híbrido você pode ter acesso, por exemplo, a imóveis logísticos e lajes corporativas.

Dessa forma, eventualmente você tem um menor custo do que se tivesse que comprar uma cota de um fundo de logística e uma cota de um fundo de lajes corporativas.

Considerando, claro, FIIs com preço de cota e carteira de ativos relativamente semelhantes.

Como todo ativo, porém, os fundos imobiliários híbridos também têm pontos de atenção, os quais podem ser considerados como desvantagens, a depender do ponto de vista.

O primeiro dele diz respeito à gestão do fundo, uma vez que existe maior liberdade do gestor nesses casos.

O gestor de um fundo de um segmento específico está focado naquele segmento, enquanto o gestor de um fundo híbrido pode alocar os recursos em diferentes classes de ativos.

Essa liberdade também pode se refletir, por exemplo, no regulamento, então é interessante verificar o mesmo.
Por conta dessa liberdade, surge uma outra questão: a análise.

Um FII com diferentes estratégias pode apresentar dificuldade adicional de análise, uma vez que existem diferentes tipos de ativo, com diferentes composições na carteira do fundo.

Portanto, existem mais variáveis a serem consideradas na análise.

O FII híbrido pode ser impactado tanto positivamente quanto negativamente por mais fatores do que um FII com uma única estratégia.

Com isso, hoje nós discutimos um pouco mais sobre os fundos híbridos. Você pode estar se perguntando: vale ou não vale investir em fundos híbridos?

A verdade é que, como todo tipo de fundo imobiliário, existem bons FIIs híbridos e fundos híbridos nem tão bons assim; então, como sempre, é preciso avaliar caso a caso!

Jacinto Neto
Jacinto Neto
Analista CNPI e sócio do Funds Explorer
Formado em administração pública pela FGV-SP, mestre em Finanças e Controladoria pela FIPECAFI, analista CNPI e sócio do Funds Explorer. Possui experiência maior que 5 anos, trabalhando com estratégia de investimentos, planejamento e modelagem financeira, além de análise de fundos de investimento imobiliário.

Leia também